Junho 26 2007
Este não foi propriamente o melhor início de férias possível. O dia de ontem foi passado no hospital, sendo obrigado a ver programas como Você na TV, As Tardes de Júlia, meia dúzia de novelas brasileiras e o início da Floribella. Quando esta começou tiveram pena de mim e mandaram-me embora. A noite foi mal dormida (será melhor dizer não dormida?) e até agora já devo ter usado suficientes lenços para entrar no Guinness Book. Seja como for, já passou e agora começam realmente as férias.
Não quis partir para esta minha mini aventura e deixar algum título a meio, portanto, acabei este fim-de-semana o incrível A Praia mais Longínqua, o terceiro livro do Ciclo de Terramar. Depois de seguir Gued em O Feiticeiro e a Sombra e em Os Túmulos de Atuan já esperava reencontrar novamente a personagem, no entanto, a maneira como esta surgiu surpreendeu-me bastante.
Nesta história não encontramos um Gued adolescente e revoltado, como no primeiro livro, nem um jovem que cumpre as suas missões, como no segundo. Neste volume, seguimos Gued na derradeira demanda em busca do mal, mal esse que se traduz num desconhecido, algo superior à força de qualquer ser.
Já Arquimago, o maior feiticeiro de toda a Terramar, Gued é interpelado por Arren, um jovem príncipe que dá voz ao desaparecimento de magia e à loucura que se verifica e cresce nas várias ilhas existentes neste mundo fantástico. Percebendo a gravidade da situação, e sabendo que só ele é capaz de descobrir e parar este mal, Gued parte, com Arren, em busca no cerne do problema, do seu causador e da sua resolução, pois só assim será possível salvar Terramar, impedindo que a luz e a magia deste mundo sejam engolidos pelas trevas.
Conduzidos pela inigualável narrativa de Ursula K. Le Guin, os dois protagonistas viajam por diversas ilhas e deparam-se com surpreendentes personagens, cada uma mais marcante e profunda que a anterior. Com o passar do tempo começam a compreender que precisam de agir rápido e que terão de travar uma grande batalha contra alguém poderoso.
Encontros únicos e acontecimentos intensos, sempre banhados por conversas e reflexões perplexizantes decorrem subtilmente, transportando-nos para um mundo irreal mas assustadoramente racional e possível. Nesta aventura as personagens ultrapassam a barreira da vida e vão até à morte, pois só na morte se pode destruir aqueles que na morte estão.
Duma imaginação incomparável, Le Guin transforma as suas metáforas em lições morais e uma simples descrição numa espantosa narração lírica. Vida e morte são o mote principal desta história que flúi pelas páginas duma forma inebriante e nos faz pensar realmente no significado destes conceitos, passando a amar e respeitar tanto o primeiro como o segundo.
Pelo final da história, calculo que esta tenha sido a última narrativa com Gued. Este salvou Terramar, mas para isso esgotou os seus poderes, perdendo o seu estatuto de feiticeiro. Foi uma personagem que adorei conhecer e que, sem dúvida, coloco ao lado de Harry Potter ou Frodo, tanto pela sua personalidade absolutamente incomparável e arrebatadora, como pelo seu simbolismo e importância.
Mais uma vez, uma série que recomendo vivamente!

A Praia mais Longínqua de Ursula K. Le Guin

 

Boas Leituras!!!

Publicado por Fábio J. às 23:17

Olá Crítico. Espero que o pior já tenha passado e estejas a recuperar bem. Realmente, que início de férias... Ainda por cima ter de ir para o hospital. Cá para ir, acho que ainda é o pior que se pode fazer a um doente, tendo em conta o estado dos hospitais e tudo o que se passa la dentro.

Quanto à história, descreves a trilogia(?) como sendo fantástica. Confio no teu gosto, por isso deve mesmo sê-lo. Mas já reparei por aqui e ainda não vi nenhum livro do ciclo de Terramar à venda. Talvez só encomendando...
Eu finalmente voltei a ler. Nem sei se me vou dignar a acabar o Memorial do Convento. Talvez o faça um dia que esteja muito bem disposta e nada tenha a fazer. Como tenho aqui imensos livros em fila de espera, começei por A Fórmula de Deus. Vou mais ou menos a meio, ainda não se desvendou metade do mistério, mas acho-o super interessante! Ainda para mais lá fala-se imenso da matéria dada em Física e Química. E tem teorias super interessantes sobre a vida. É do género "Dan Brown", sim, mas estou a gostar muito. Ainda para mais vou relembrando coisas esquecidas da matéria e que saem no exame! ;)

Boas férias, as melhoras e aproveita então para continuar as tuas fantásticas leituras!:)
cricri a 27 de Junho de 2007 às 12:19

Não tenho nada do que me queixar em relação ao hospital (se bem que agora que penso nisso...) mas realmente não é o melhor sitio para se estar, como é lógico.

Esclarecendo, o Ciclo de Terramar não é uma trilogia. No fundo só saberei mesmo o que é quando ler tudo. É que até há uma ano era uma tetralogia, mas entretanto dois novos volumes foram editados (um deles já em Portugal) e a coisa foi alterada. Mesmo tendo Gued acabado por aqui, a história deve continuar (e continua) com outras personagens, em Terramar. Se poderes ler, acho que irias gostar.
Bem me apetecia ler uma narrativa assim, e essa é daquelas por que mais anseio. Ainda bem estás a gostar, só me deixas mais curioso. Adoro misturas de temas, como esse... Mais um bom motivo para ler. Vou ficar à espera da tua opinião final.
Eu agora estou a ler Lágrimas do Sol e da Lua. Confesso que esta a ser um pouco estranho, acho que a história esta a seguir um caminho estranho e completamente novo, mas ainda vou no início e preciso de aprofundar mais a história de Edwina.

Obrigado, acho que estou a fazer progressos, já só gasto metade dos lenços e já consigo dormir uma hora seguida!
Boas férias para ti também e Bom estudo!

Ai Crítico, coitado de ti...Pensei que tivesse sido alguma coisa passageira... Pelos vistos é pior. Melhoras a dobrar, tens que te por bom para aproveitar as férias..!

Desculpa a confusão. Eu é que compreendi que era o último livro com Gued, e supus que acabasse aí a história. Sim, tenciono ler, depois de acabar a fila de espera que tenho aqui...
Quando disseste estranho, relativamente a Làgrimas do Sol e da Lua, pensei: "É essa a palavra!" O início é mesmo estranho e essa sensação prolongou-se um pouco através de toda a obra. Gosto das personagens, mas custou desapegar-me de Catelyn e Throst. Ao início até elaborei uma árvore genealógica para tentar entender aquele sem-número de primos e filhos e tudo isso. Confundia sempre quem era filho de quem..

Que ao menos a leitura te faça esquecer por algum tempo o facto de estares de cama.
Beijinhos
cricri a 28 de Junho de 2007 às 12:20

Já estou a melhorar. Infelizmente ainda estou demasiado dependente dos lenços, mas já é como se fosse uma simples grande constipação. E ontem já dormi duas horas seguidas sem acordar! Vamos ver hoje! LOL

O que mais me "chateia" em Lágrimas (..) é o facto da Catelyn ter sido afastada do protagonismo passando a ser, com um clique, uma mera figurante. Depois são aqueles seres todos lá no meio (Elfos? sereias? demónios? Um bocadinho demais, não?).
Esse enorme número de personagens que caem do céu é outro ponto, mas até tem a sua "piada". Já os estive a inserir na minha antiga árvore genealógica destas familias, mas digamos que está uma grande salsada. E que história é essa do primos andarem metidos uns com os outros?
Bem, tenho (e quero) de continuar a ler.

Já agora, não estou de cama, já passei dessa fase. E obrigado pela atenção! Como digo às minhas colegas: "És mesmo fofa!"

Até Breve!

:)
Ora essa...
Ainda bem que ao menos já não estás de cama..!
E só consegir dormir duas horas seguidas.. :S Bem, já o facto de estar doente é mau, ainda juntar o cansaço, não?

No livro a Cat perdeu muita relevância. E depois passa a ser apresentada como uma mãe de família, parece que perdeu a magia (nos dois sentidos) que tinham anteriormente... Bem, as pessoas madurecem, é certo, mas é pena.
Acredito que a árvore genealógica esteja confusa, a minha também estava enorme e cheia de linhas por cima umas das outras! Que confusão! lol
Quanto aos primos, é o prato do dia! :)

Continua então a leitura, e mais uma vez, boas melhoras.
cricri a 29 de Junho de 2007 às 20:21

Ola
POr um acaso encontrei o seu blog e gostei imenso de o ler.
Muitos Parabéns.

Valkiria
valkiria-na-bruma a 27 de Junho de 2007 às 18:03

Ola! Seu blog é muito interessante, vou visita-lo sempre ^^
Te add, ok? Se tiver msn e quiser me Adicionar o endereço é nenture@hotmail.com!! :D
Namarie!!
Nolee a 28 de Junho de 2007 às 22:15

Adorei ler O feiticeiro e a Sombra, mas ate agora não tive oportunidade de ler mais nenhum livro desta fantastica saga, recentemente acrescentada com mais um volume. Quero ver se leio pelo menos Os Tumulos de Atuan estas férias.

Boas leituras!
leitor a 29 de Junho de 2007 às 12:41

Se já leste Le Guin já conheces a grande qualidade da escrita. Mas não leste outros títulos dela também? Tinha a sensação que sim...

Acho que fazes bem em continuar. Dos três que já li, Os Túmulos (...) é talvez o menos empolgante, mas continua a ser fantástico. Este último pareceu-me o melhor até agora... é mais profundo, vai mais longe.

Boas férias!
Fábio J. a 29 de Junho de 2007 às 21:06

Um blog sobre livros e afins. A descongelar lentamente...
Contacto
Contacto

As mensagens poderão não ser lidas por extensos períodos. Pedidos de divulgação e/ou colaboração poderão não obter resposta.
pesquisar
 
A ler...
Tales of Earthsea

Romeo and Juliet

comentários recentes
<a href='http://www.cricinfobuzzlive.com/live-c...
E Jack london?Eça de Queiros.....
Também adorei!:http://numadeletra.com/a-mancha-hum...
Quando será lançado o quarto livro em português do...
Estou agora a ler esse livro e este seu texto deu-...
arquivos
2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D


Leitores Online
online


O autor deste blog não respeita o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa