Dezembro 27 2007
Esta deve ser a primeira vez que coloco aqui um texto que não é meu, mas este é, pura e simplesmente, o melhor sobre o tema que até hoje vi, aquele que resume em si tudo aquilo que eu próprio penso e tudo aquilo que faz com que o Acordo Ortográfico seja uma das coisas mais estúpidas que pode ser feita num Estado democrático. Pois leiam!
O texto é de Desidério Murcho, publicado no blog De Rerum Natura.
"Nos países sem grande tradição democrática encara-se com normalidade que os políticos possam decidir como vamos escrever as palavras. Alguns linguistas, incapazes de fazer valer as suas modernices linguísticas pela via orgânica da influência dos seus dicionários, gramáticas e livros (que não escrevem), ajuntam-se, ajoelham-se, rezam e convencem o poder político a mudar por força de lei o modo como escrevemos. O poder político vai na conversa, com as ilusões políticas do costume, que ninguém se deu ao trabalho de estudar cuidadosamente: hoje em dia, usa-se a ilusão de que a língua vai ter maior implantação no mundo, vamos unificar as diferentes ortografias da língua, em vigor no Brasil e em Portugal (os países africanos de língua portuguesa seguem a ortografia de Portugal). No passado, para eliminar o "ph", usavam-se outras ilusões: era por causa do "ph", dizia-se, que o nosso ensino era tão mau e o nível cultural tão baixo. Décadas depois já não há "ph", mas o ensino não melhorou.
Há três aspectos importantes a ter em conta.
Em primeiro lugar, a pouca-vergonha que é o estado legislar sobre a língua. A língua devia ser deixada entregue a si mesma, como acontece em países com sólidas tradições democráticas. O inglês é, em termos práticos, a língua académica, científica e comercial internacional — mas ninguém legisla sobre esta língua e as ortografias do Reino Unido e dos Estados Unidos são diferentes, para não falar dos restantes países de expressão inglesa. Mas nos nossos dois países, Portugal e Brasil, as bestas de políticos que temos bem poderiam fazer uma lei para deixarmos de beber café com leite ao pequeno-almoço, que a intelectualidade aceitaria isso com naturalidade. Como dizia o Ega, isto é uma choldra. Ah, os brasileiros não aceitariam isso — mas unicamente porque no Brasil não se sabe o que é o pequeno-almoço, pois usam a expressão "café da manhã" (e até "traduzem" o Eça, para o leitor não se dar ao incómodo de ir aos excelentes dicionários brasileiros — o Houaiss, o Aurélio ou o Michaelis). O que nos conduz ao segundo ponto.
Em segundo lugar, as ilusões políticas não passam disso mesmo: ilusões. O acordo não vai unir as línguas, nem há qualquer vantagem em unir as línguas. Não vai unir as línguas porque a diferença mais importante entre o português de Portugal e do Brasil não é a ortografia mas a gramática e o conjunto de expressões usadas. No Brasil, as pessoas em geral não sabem o que é o pequeno-almoço, e em Portugal o café da manhã é apenas um café que se toma de manhã e não o pequeno-almoço, que pode ou não conter café; no Brasil, um sítio é uma quinta grande, mas em Portugal é apenas um lugar qualquer. E não há qualquer vantagem em unir a ortografia das línguas, dado que não há qualquer união ortográfica entre os EUA, por exemplo, e o Reino Unido, mas os livros publicados num país são geralmente publicados no outro e vice-versa, sobretudo os académicos. A Blackwell, a Cambridge, a Oxford — algumas das mais importantes editoras académicas — publicam geralmente os seus livros simultaneamente nos dois países, apesar das diferentes ortografias. Não há um só editor académico que faça isso em Portugal e no Brasil, com ou sem acordo. Compreende-se que os editores brasileiros se estejam nas tintas para o mercado português, de apenas dois ou três milhões de leitores, num país que tem muitíssimos mais leitores do que isso apenas em S. Paulo e no Rio, para não falar de outras cidades gigantescas nem do resto do país, com as suas 106 universidades federais (sem contar por isso com as estaduais nem com as privadas). Portanto, não há realmente razões políticas para fazer um acordo ortográfico.
Em terceiro lugar, devemos compreender o que está realmente em causa: uma simbiose entre linguistas que querem ficar na história e fazer currículo, e um estado autoritário que gosta de interferir arbitrariamente na vida dos cidadãos. Como os linguistas têm a incapacidade de se impor pela força das suas ideias linguísticas, impõem politicamente as suas teorias ortográficas preferidas. E o poder político agradece, porque o mais arcaico instrumento político é a interferência arbitrária do poder político na vida das pessoas. Hoje não podemos ler Eça tal como Eça escreveu, nem Pessoa tal como Pessoa escreveu. Mas os ingleses lêem Byron tal como Byron escreveu e lêem Dickens tal como Dickens escreveu. E se não lêem Hobbes tal como Hobbes escreveu, não foi por via de qualquer legislação, mas por força da evolução orgânica da língua — porque os autores de dicionários, gramáticas e obras eruditas foram mudando gradualmente o modo de escrever certas palavras, assim como certas estruturas gramaticais.
Entre o orwellianismo dos nossos políticos, a incompetência dos linguistas próximos do poder e as ilusões dos comentadores — que parecem ingenuamente pensar que há razões políticas para tais acordos que não a mera interferência arbitrária na vida das pessoas — a realidade gritante é esta: não há soluções legislativas para a falta de cooperação académica e cultural entre os nossos povos, não há solução ortográfica que resolva as diferenças linguísticas profundas entre os nossos países, nem há qualquer vantagem em fazer tal coisa. Com ou sem acordo, tudo vai continuar como antes, mas pior. Tal como tudo ficou igual, mas pior, quando deixámos de escrever "possìvelmente" e passámos a escrever "possivelmente", e quando deixámos de escrever "philosophia" e passámos a escrever "filosofia": continuámos a ser um dos povos europeus possivelmente mais incultos e a filosofia continuou a fazer-se no estrangeiro."
Publicado por Fábio J. às 18:39

Já agora visitem a petição:
[Error: Irreparable invalid markup ('<br [...] <a>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

Já agora visitem a petição: <BR><BR class=incorrect name="incorrect" <a>http</A> :/ www.petitiononline.com naoacord petition.html
titanium a 27 de Dezembro de 2007 às 19:43

Desculpem....
Talvez agora dê:

www.petitiononline.com/naoacord/petition.html
titanium a 27 de Dezembro de 2007 às 19:44

Não há problema!

Quanto à petição, ando há já algum tempo a divulga-la aqui no blog, estando, neste momento (e já há algum tempo) no links, onde diz "Destaque", e no "Painel Rolante", no topo da página.

De qualquer forma, obrigado pelo aviso. Eu já "assinei" e espero que muita gente assine: tal assim tenha algum efeito.
Fábio J. a 29 de Dezembro de 2007 às 22:34

Bravo!
Também já tinha escrito um "manifesto anti-acordo ortográfico" no meu blog, pois tal parvoíce só pode ser fruto de idiotas também eles fruto do ensino imbecilizante que temos.
Tenho ligações familiares a pessoas do meio académico (inclusivé ao defunto antepassado que mudou a philosofia para filosofia, a mãi para mãe, etc.). Mas, ai de nós, os ilustres doutores não saiem dos seus confortáveis gabinetes, limitando-se a uma postura elitista : nós somos cultos, o resto da população é mal educada...
Muito me decepciona esta postura: eles deveriam ser os primeiros a defender a Língua Portuguesa e como peritos, a sua opinião teria influência caso se dignassem a falar para os "que não estão ao nível deles". Esta elite literária critica a Lídia Jorge "que é uma qualquer a escrevinhar e já se julga escritora".
Os políticos estão a tomar decisões idiotas, mas os doutores que o permitem em silêncio também têm a sua parte de responsabilidade neste assassínio da Língua Portuguesa!
Cumprimentos
A Velha Menina a 31 de Dezembro de 2007 às 07:44

De um lado estão aqueles que tiveram esta rica ideia, doutores, especialistas, "os melhores". Do outro está um grande grupo de portugueses, que falam português, que escrevem português, mas a quem não é reconhecida nenhuma autoridade. Isto não é um jogo mas, quem ganha este braço de ferro? Num estado democrático certamente a maioria, que quer continuar a escrever da forma que aprendeu e, melhor, da forma correcta, mas parece que não é isto que acontece em Portugal.
A elite, como muito bem referes, de académicos portugueses e brasileiros pretende ficar para a história, orientando, quais anjos da guarda, as vidinhas de milhões de pessoas.
Realmente, isto é um assassínio à Língua Portuguesa!

Obrigado pelo comentário! E bom 2008...
Fábio J. a 1 de Janeiro de 2008 às 21:45

O Governo devia é ser mais rigoroso com os jornalistas e com as editoras. É que o nível cultural de um povo mede-se mais depressa pela capacidade de epressão quer na fala quer na escrita. Toda a gente sabe que quando lêmos qualquer coisa rica em bom vocabulário, as novas palavras ficam gravadas no nosso inconsciente e quando nos apercebêmos já estámos a usá-las. [Estou a falar de mim] Eu acho importante isso de elevar o espírito Eça no intelecto de quem escreve para grandes massas! É fácil, creio que a nossa língua é das mais ricas nisso... Agora acordos linguísticos é que não... Estranjeirismos são bem-vindos, o Eça também não recusou! A nossa língua está viva.

Este acordo não é de estranhar, afinal é ideia de quem faz juz ao calão. No fundo, tudo isto é 'porreiro pá'! Quanto mais não seja, esta idiotice no governo serviu para eu poder desejar-te um:

Feliz 2008!! Espero que tenhas um ano em grande!

:) **
A-de-Azul a 31 de Dezembro de 2007 às 18:06

Tal como anteriormente havia dito, concordo com alguns pontos do Acordo. Mas o resto tão irracional e incorrecto que sou obrigado a ser contra este. E o problema é que ninguém dá importância a isto.

Concordo contigo. O que lemos [e o que ouvimos, quer na televisão, rádio...) tem uma grande influência na forma como também nós escrevemos e falamos. Daí ser necessário haver cuidado sobre aquilo que se publica.
A questão nem são os estrangeirismos: acho que a grande maioria das pessoas os aceita, já que os usa no dia-a-dia. O que é completamente errado e alterar o vocabulário que todos os dias usamos.

Bom ano de 2008! ;)
Fábio J. a 1 de Janeiro de 2008 às 21:54

Não há palavra que expresse melhor a minha concordancia do que um: exacto.
Pedra da Lua a 2 de Janeiro de 2008 às 11:40

Foi exactamente isso que eu pensei (e exclamei) quando li o texto.
É realmente muito bom, o reflexo das ideias de muita gente.

A ver vamos onde isto vai parar.
Obrigado pelo comentário.
Fábio J. a 5 de Janeiro de 2008 às 22:11

Um blog sobre livros e afins. A descongelar lentamente...
Contacto
Contacto

As mensagens poderão não ser lidas por extensos períodos. Pedidos de divulgação e/ou colaboração poderão não obter resposta.
pesquisar
 
A ler...
Tales of Earthsea

Romeo and Juliet

comentários recentes
<a href='http://www.cricinfobuzzlive.com/live-c...
E Jack london?Eça de Queiros.....
Também adorei!:http://numadeletra.com/a-mancha-hum...
Quando será lançado o quarto livro em português do...
Estou agora a ler esse livro e este seu texto deu-...
arquivos
2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D


Leitores Online
online


O autor deste blog não respeita o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa