Dezembro 07 2008
Nem todos os livros têm de apresentar um estilo insólito para serem bons livros. Nem todos os livros precisam brilhar para agradar ao leitor. E nem todos os livros precisam ser o melhor livro para valerem a pena serem lidos. A prová-lo está O Homem Duplicado, um romance de 2002 da autoria de José Saramago.
Alguns capítulos depois de ter começado a ler o livro senti uma certa desilusão. Ao contrário dos livros que já li do autor, O Homem Duplicado parece um romance comum, com evidente excepção para o estilo pessoal e único que caracteriza o autor. A narrativa continua a ser muito bem contada e a criatividade proporcionadora de um contentamento completo mas, há quase sempre um mas, a história parecia-me um tanto ou quanto monótona, pese o facto de ser tudo menos trivial.
O homem que dá vida a esta história, ou pelo menos o primeiro, chama-se Tertuliano Máximo Afonso, nome “rançoso e malfadado”. É professor de História do secundário e tem uma vida monótona, sem muito interesse. Quis o destino, ou seja lá o for, que um colega, professor de matemática, lhe recomendasse um filme para o libertar do marasmo constante. E nesse momento o destino de Tertuliano, destino que em cima referi, foi decidido. Nessa noite, em casa, após ver o filme e se deitar para dormir, acorda repentinamente, sentindo um intruso em casa. Levanta-se e dirige-se à sala, onde havia visto o filme, revendo-o. E, então, “levantou-se da cadeira, ajoelhou-se diante do televisor, a cara tão perto do ecrã quanto lhe permitia a visão, Sou eu, disse, e outra vez sentiu que se lhe eriçavam os pêlos do corpo”.
O protagonista descobre, portanto, que existe um homem exactamente igual a si, algures e, por mais que tente esquecer tal facto, será incapaz de lutar contra a necessidade de conhecer esse outro homem em tudo semelhante a si. Assim começa a busca de Tertuliano Máximo Afonso.
Embora a história se desenvolva de uma forma, a meu ver, um pouco lenta, sem acção, a verdade é que a certa altura senti o desequilíbrio de Tertuliano a atingir-me. Não há loucos nesta estória, mas há um tom de loucura que me assustou, como se o mundo que conheço fosse, todo ele, um grande palco de circo. E os palhaços assustam-me...
Depois de um progresso pouco interessante, a narrativa torna-se, na parte final, assombrosa. Confesso, não tenho porque não o fazer, que me apeteceu chorar perante a resolução da história. É caso para dizer que, calmamente, Saramago cria um universo e um grupo de personagens aparentemente comuns mas que, precisamente devido a tal aparência, se vêm a mostrar admiráveis.
A identidade humana, a nossa interdependência, os valores e as razões da vida são apenas alguns dos conceitos em jogo.
Embora dos três que até agora li este seja o que menos gostei (?), é neste livro que Saramago mostra o seu estilo de uma forma pura, surpreendendo-me, mais uma vez, com a genial capacidade para narrar e interagir com o leitor.
Não o recomendo como primeira abordagem ao autor, mas para quem já leu outra obras do Nobel português este livro é obrigatório.
 
O Homem Duplicado de José Saramago
 

Boas Leituras!

Publicado por Fábio J. às 23:33

por acaso foi um livro que li e achei uma trama bastante elaborada e original .























maria a 9 de Dezembro de 2008 às 19:42

Sim, a trama é bastante elaborada, só a achei, por vezes, com um desenvolvimento lento. Nunca foi uma leitura desagradável, muito pelo contrário, mas tenho a sensação de que isso só não aconteceu, em alguns momentos, porque Saramago sabe contar uma história como ninguém, com as suas observações, críticas, ironias... Ele é óptimo, e isso torna qualquer livro num prazer.
E depois há a parte final do livro, quando tudo passa a ter lógica. Foi emocionante. Como andar numa montanha-russa!
Fábio J. a 11 de Dezembro de 2008 às 22:25

Boa tarde,

Encontrei o blog enquanto pesquisava "livros" em geral e o que se faz por cá, e tive uma feliz surpresa . Gostei bastante de por "cá" andar.

Quanto ao livro... é um daqueles livro que custa passar das primeiras paginas, e o facto de não ter o "Nobel " em grande consideração ou simplesmente não gostar muito da escrita dele, também não ajuda...
Quando conseguir acabar o livro, darei um opinião mais composta sobre o livro.

Abraço.
MGL a 19 de Dezembro de 2008 às 14:25

Obrigado pela visita e pelo comentário!

Dos livros de Saramago que até agora li, este foi o que menos gostei e o que mais me custou a ler, embora tenha gostado. Se não aprecia o estilo do autor, é provável que não goste deste livro, afinal ele não deslumbra.
Depois lerei a opinião no seu blog.

Até Breve!
Fábio J. a 19 de Dezembro de 2008 às 16:46

Olá,

Só para dizer que é dos meus livros favoritos do José Saramago!
daniel a 5 de Setembro de 2010 às 13:04

Olá,

Como referi no meu texto, este não é dos meus livros favoritos, mas o facto é que é das histórias que mais claramente relembro. Há muito de original, e a criatividade marca.
Mas que gostei muito, lá isso gostei!
Fábio J. a 6 de Setembro de 2010 às 22:12

Um blog sobre livros e afins. A descongelar lentamente...
Contacto
Contacto

As mensagens poderão não ser lidas por extensos períodos. Pedidos de divulgação e/ou colaboração poderão não obter resposta.
pesquisar
 
A ler...
Tales of Earthsea

Romeo and Juliet

comentários recentes
<a href='http://www.cricinfobuzzlive.com/live-c...
E Jack london?Eça de Queiros.....
Também adorei!:http://numadeletra.com/a-mancha-hum...
Quando será lançado o quarto livro em português do...
Estou agora a ler esse livro e este seu texto deu-...
arquivos
2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D


Leitores Online
online


O autor deste blog não respeita o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa