Julho 05 2009
Mais uma vez, demorei. Mais uma vez, chega a crítica. Desta vez, uma incursão pela literatura de horror com A Canção de Kali, uma obra premiada com o World Fantasy Award, em 1968, da autoria do norte-americano Dan Simmons.
O protagonista da história é Robert Luczak, um jornalista e escritor americano enviado a Calcutá com o propósito de obter um recente manuscrito do poeta M. Das, que, supostamente, morrera havia dez anos. Com ele, vão a mulher, Amrita, e a filha bebé, Victoria. Desde a chegada àquela cidade indiana, estas personagens são confrontadas com um lugar inesperado, no qual as normas sociais estão para lá do compreensível.
A tarefa revela-se mais complicada do que o previsto. M. Das está envolto em mistério. Há quem diga que foi ressuscitado pela deusa Kali, a Deusa da Morte do Hinduísmo. Para encontrar o poeta, Robert é obrigado a conviver de perto com uma seita que conspira para invocar aquela divindade e que é capaz de tudo para concretizar com os seus intentos. Vive uma série de peripécias nas quais as alucinações se confundem com a realidade, o que contribui para uma narrativa mais intensa e aprazível.
A história não seria a mesma se o cenário fosse outro. Nesta obra, Calcutá revela-se o inferno transformado em cidade, uma cidade selvagem, escura e imunda. As descrições das suas ruas e dos seus habitantes são perturbadoras e é difícil não sentir uma certa náusea perante algumas delas. São descrições fortes que surpreendem pela violência inerente.
Facilmente somos alienados do que nos rodeia, pois a narração está sobejamente bem construída, com pormenores e situações credíveis que nos fazem visualizar o que é contado. Contudo, senti falta de um fio condutor que mantivesse a coesão da história. Pareceu-me não haver uma verdadeira linha de acção. Por um lado, tal facto contribui para o realismo e singularidade do romance, mas, por outro, inviabiliza a compreensão do que está para além do simbólico.
Realidade, fantasia e terror combinam-se harmoniosamente, embora este último tema, apesar de bem explorado e sempre presente, tenha fica aquém das minhas expectativas. Ainda assim, o sangue, a morte e o Mal fazem parte da alma deste romance negro, positivamente invulgar.
A mais recente edição da obra, para além de uma nova capa, conta ainda com prefácio de João Seixas e posfácio de João Barreiros, o tradutor.
Tudo somado, têm disponível um livro singular, com uma narrativa negra e repleto de pormenores absorventes. Ideal para uma noite de Verão.
 A Canção de Kali de Dan Simmons
João Barreiros, Saída de Emergencia, 2009
Boas Leituras!
Publicado por Fábio J. às 15:32

Olá, vim cá fazer uma visita e adorei o blog. Vou voltar mais vezes :)
Cotinuação de boas leituras.

 
Paula a 6 de Julho de 2009 às 22:54

Olá, e bem-vinda. Ainda bem que o blog agrada. Também estarei atento ao Viajar pela leitura, um espaço muitíssimo interessante.

Até Breve!
Fábio J. a 6 de Julho de 2009 às 23:13

Um blog sobre livros e afins. A descongelar lentamente...
Contacto
Contacto

As mensagens poderão não ser lidas por extensos períodos. Pedidos de divulgação e/ou colaboração poderão não obter resposta.
pesquisar
 
A ler...
Tales of Earthsea

Romeo and Juliet

comentários recentes
<a href='http://www.cricinfobuzzlive.com/live-c...
E Jack london?Eça de Queiros.....
Também adorei!:http://numadeletra.com/a-mancha-hum...
Quando será lançado o quarto livro em português do...
Estou agora a ler esse livro e este seu texto deu-...
arquivos
2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D


Leitores Online
online


O autor deste blog não respeita o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa