Janeiro 15 2007

Segunda-feira tem sido o meu dia de eleição para fazer textos errantes para este blog, textos sem uma grande linha orientadora e nos quais dou a minha opinião sobre algo do mundo literário que vagueia pala minha mente. Hoje não será excepção.

Os mais atentos devem já ter reparado que neste momento leio O Mistério da Atlântida, uma história que mistura varias ciências e teorias, sendo que todas convergem para um único ponto: a descoberta da mítica Atlântida. Vou a meio da história e estou bastante entusiasmado com o seu desenrolar intenso e bastante persuasor.

Quando falo em persuasão refiro-me à credibilidade que, ilusoriamente, muitos livros, principalmente romances históricos, transparecem aos seus leitores. No envolvimento que com um livro, durante a ligação entre livro e leitor, no qual ambos se fundem e são um só, tudo parece real, por mais fantástico e inacreditável que seja. O único problema aparece quando, fora dos momentos de leitura, a nossa racionalidade confunde a ficção com a realidade.

Desde o já tão referido O Código da Vinci que um novo género de romances tem crescido rapidamente: os romances históricos. Estas histórias não se limitam a transparecer a imaginação, usam também factos reais do passado, ou teorias acerca de episódios menos claros e mais lendários. Muitas vezes são nos dadas provas, totais ou fruto de ligações supostamente lógicas, que não parecem ser questionáveis, e mesmo quando nos é dito que tudo presente no livro é pura imaginação do autor, a história é construída sobre bases tão firmes e afirmativas que ficamos na dúvida.

Narrações sobre a vida de Cristo e a religião, a origem da Atlântida, a história do rei Artur, a queda do Império Romano ou os próprios descobrimentos portugueses, têm sido base de muitos destes romances.

O que me fez pensar é que, se até à algum tempo se dizia que ler, nomeadamente livros com fundos históricos ou científicos, aumentava o nosso intelecto, não sei se com tantos factos a parecerem verdadeiros e a serem falsos não estaremos perante uma leitura com consequências não tão felizes.

Não quero com isto dizer que ler confunde ou prejudica os nossos conhecimentos, longe disso. Apenas chamo a atenção para esta corrida feita por muitos autores. Uma corrida em busca de factos arrebatantemente credíveis e com uma poderosa façanha de marketing.

Esta mistura de histórias reais com estórias imaginadas é sem dúvida fascinante e muito interessante, resultando em obras, muitas vezes, de alta qualidade. Só me pergunto até que ponto estaremos nós preparados para sermos bombardeados com informação científica e histórica errada, sendo que em muitas áreas nunca teremos oportunidade de nos corrigirmos.

São verdades falsas que percorrem e satisfazem as nossas mentes.

Até Breve e Boas Leituras.

Publicado por Fábio J. às 21:12

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Um blog sobre livros e afins. A descongelar lentamente...
Contacto
Contacto

As mensagens poderão não ser lidas por extensos períodos. Pedidos de divulgação e/ou colaboração poderão não obter resposta.
pesquisar
 
comentários recentes
Muito boa tarde, gostaria de comprar o livro o alq...
O livro pareçeme intereçante eu vou começalo a ler...
Um religioso falando em delírios... chega a ser pa...
-Crónica de uma morte anunciada...vi esse filme em...
Realmente, sou fascinada por este livro, maravilho...
arquivos
2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D




O autor deste blog não respeita o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa