Abril 27 2007
Já é tarde, quando faço este post. E estou cansado. Cansado do dia, da semana, em enfim, cansado... Contudo existe uma história que percorre a minha mente e lhe dá vivacidade. Esta tarde, estive a ver uns pormenores já esquecidos de A Última Feiticeira e a ler O Guerreiro Lobo. Desde que o fiz, a história não me sai da cabeça... É como se estivesse ligado ao livro. Uma sensação estranha mas fantástica.
São este tipo de sensações que nos fazem gostar mesmo, ou não, duma obra literária. É lógico que há outros factores, mas este parece-me fundamental.
À medida que fui lendo A Irmandade do Anel, fui descobrindo subtis sensações deste tipo, contudo, estas não passaram de ténues sentimentos. Talvez tenha sido por já conhecer a generalidade da história e por a surpresa se resumir a recônditos pormenores que não chegaram ao filme. Muito do encanto reside nos pormenores, e eu também me encantei!, mas saber por onde seguirão as personagens, qual será a próxima paragem e quem morrerá no capitulo seguinte é, no mínimo, pouco misterioso.
Desde logo fixei-me na vida dos estranhos hobbits. Foi, talvez, a parte mais interessante, aquela em que me senti realmente um novo viajante da Terra Média, que descobre os seus mistérios aos poucos. Redescobrir Frodo e restantes hobbits foi curioso, e a sua longa viagem, até Bree, revelou-se uma grande novidade, talvez por os acompanhar de tão perto, como se fosse um deles. São vários os acontecimentos que se dão nessa viagem, e alguns realmente surpreendentes. Tom Bombadil é uma dessas surpresas, uma personagens até então desconhecida e que me deixou intrigado.
Quando os hobbits passam a caminhar com a Irmandade a narração passa a explorar outras áreas e torna-se, a meu ver, um pouco mais fria. As trevas assombram o grupo mas é a frieza dos seus elementos que mais se acentua. Nem a beleza de Lórien consegue dar um entusiasmo eficaz à história. Possivelmente a história também não tenta captar o entusiasmo, e percorre outros caminhos, mas acredito que o filme vem prejudicar leituras posteriores do livro.
Palpitei com a quase morte de Frodo, os perigos quase fatais que afectaram o grupo e as conversas agitadas das personagens, mas nem a morte de Gandalf me proporcionou grande entusiasmo.
Fica a ganhar devido aos hobbtis, ao incrível Tom Bombadil, a Bree, aos orcs de Mória e às palavras ditas em Lórien e no final. No geral, continua a ser um bom livro pelo óptimo enredo e pela fantástica criação.
Gostei de ler o livro, embora esperasse um pouco mais. Comparando com O Hobbit, a aventura de Bilbo foi-me muito mais interessante, mas mais uma vez digo que o filme pode (e deve) ter influenciado a minha opinião.
Mesmo assim, O Senhor dos Anéis – A Irmandade do Anel é uma obra incomparável e que continuarei a seguir.

O Senhor dos Anéis - A Irmandade do Anel de J. R. R. Tolkien

 

Para vós, um Bom fim-de-semana e Boas Leituras!
Publicado por Fábio J. às 23:22

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Um blog sobre livros e afins. A descongelar lentamente...
Contacto
Contacto

As mensagens poderão não ser lidas por extensos períodos. Pedidos de divulgação e/ou colaboração poderão não obter resposta.
pesquisar
 
comentários recentes
Muito boa tarde, gostaria de comprar o livro o alq...
O livro pareçeme intereçante eu vou começalo a ler...
Um religioso falando em delírios... chega a ser pa...
-Crónica de uma morte anunciada...vi esse filme em...
Realmente, sou fascinada por este livro, maravilho...
arquivos
2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D




O autor deste blog não respeita o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa