Abril 06 2008
Pode parecer que muito tempo já passou, mas foi apenas há cerca de 4 meses que o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa se tornou tema de conversa de muita gente. Polémico e obscuro, o documento será vítima de debate e analise por políticos, escritores, editores e outros intelectuais já amanhã, na Assembleia da República.
No mês passado, o Governo português comprometeu-se a adoptar as medidas adequadas para garantir o processo de transição, no prazo de seis anos, para a aplicação plena das alterações contempladas no acordo, mas para entrar em vigor falta a sua ratificação por parte da Assembleia da República.
É inútil esperar uma outra resolução que não a ratificação e posterior promulgação deste documento. O debate, necessário, não passa de uma acção simbólica que permitirá ao Governo, que ironicamente (e ditatorialmente) já ratificou o Acordo, defender-se de dedos acusadores e vozes descontentes. É a oportunidade de o outro lado opinar, mas parece-me que nesta democracia representativa (termo irónico e contraditório) de nada vale a opinião de quem defende uma solução menos aparatosa e obtusa.
Mas, nesta altura, mesmo aqueles que se esforçam por conhecer o que muda apercebem-se, com estranheza, que não é fácil perceber como passar a escrever correctamente. Esta ignorância colectiva é, aliás, um dos maiores problemas deste documento. Já existem auxiliares linguísticos no novo português, nas pergunto-me se a melhor (e única) solução é ler um dicionário? E serão os 6 anos apontados pelo governo suficientes para que os portugueses passem a escrever, correctamente, as suas cartas para a família, os seus apontamentos escolares, os seus relatórios profissionais (nomeadamente os científicos) ou até os seus textos para os blogues? Hmm
Já há quem escreva (ou melhor, tente escrever) usando a nova ortografia, talvez esquecendo-se que ainda não foi aprovada. Há quem esteja ansioso pela mudança (apenas porque gosta de coisas novas), irá passear-se com os novos dicionários e tentar escrever de acordo com o documento. Há também quem pretenda aguardar os seis anos dados pelo governo, e ir fazendo a adaptação a que é obrigado. E, por fim, há aqueles que prometem ignorar este Acordo sempre que possível, continuando a escrever no actual Português.
Opções à parte, a verdade é que se avizinham tempos decisivos para a nossa língua. Não que se torne mais importante a nível mundial, mas apenas porque se dará uma mudança a sua forma de ser.

 

O Acordo Ortográfico foi ratificado. Vai aplica-lo?

 

8.62% Sim, agora
12.06% Sim, daqui a 6 anos
62.06% Não
17.24% Qual acordo?

 

Total: 58 respostas

 

Amanhã veremos se o debate teve alguma influência no que já foi feito.

Boa semana e Boas Leituras!!!

Publicado por Fábio J. às 22:59

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Um blog sobre livros e afins. A descongelar lentamente...
Contacto
Contacto

As mensagens poderão não ser lidas por extensos períodos. Pedidos de divulgação e/ou colaboração poderão não obter resposta.
pesquisar
 
comentários recentes
Muito boa tarde, gostaria de comprar o livro o alq...
O livro pareçeme intereçante eu vou começalo a ler...
Um religioso falando em delírios... chega a ser pa...
-Crónica de uma morte anunciada...vi esse filme em...
Realmente, sou fascinada por este livro, maravilho...
arquivos
2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D




O autor deste blog não respeita o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa