Fevereiro 10 2009
Os livros que leio dividem-se em dois grupos: o daqueles que são desejados, e que por isso esperam na lista pela sua vez, e o daqueles que, dizendo de uma forma poética, simplesmente surgem na estante.
A Viagem do Elefante surgiu! Surgiu e impôs-se, não fosse ela uma obra da autoria de José Saramago, escritor que admiro, e o seu regresso à ficção histórica, género que me atrai e que, contado pelo Nobel português, simplesmente adoro.
A estória começa na corte portuguesa do século XVI, quando D. João III e Dona Catarina de Áustria se questionam acerca do presente de casamento que haviam dado ao arquiduque Maximiliano da Áustria. Talvez o presente não tivesse sido apropriado e talvez o elefante Salomão, vindo da Índia, o fosse. Decidem oferecer o elefante, e com ele o cornaca, o seu tratador. Estes dois partem, então, numa viagem que os levará até Viena, viagem que é também uma aventura e um palco de ideologias e valores.
As peripécias sucedem-se, sempre bem contadas e com o humor e tom crítico que caracterizam o autor. E quando a narrativa tinha tudo para ser monótona, provavelmente pela ausência de factos históricos acerca da migração ou pela simples monotonia que é a realidade, o autor utiliza as personagens para impulsionar a acção, descrevendo os seus medos, os seus sonhos, as suas vontades e todos aqueles pensamentos que invadem a mente de quem caminha sem poder olhar para trás. Destaco o cornaca, Subhro em Portugal, Fritz na Áustria, um homem invulgarmente sábio na sua simplicidade de subalterno e que, mais do que todos os outros, reflecte a aceitação consciente daquilo que a vida proporciona a cada ser.
Mais uma vez, Saramago prova ser um excelente contador de histórias. No entanto, pareceu-me haver algo estranho no seu estilo, positivamente estranho, mas evidentemente diferente. A proximidade com o leitor continua a mesma: quase que ouvia o narrador a falar ao meu lado, tal é a naturalidade e simplicidade com que a história é apresentada.
O fim da obra é digno de destaque. Não pela surpresa, que não a houve, mas pelo modo como nos é apresentado e pelo que representa. Afinal um fim, mesmo o fim da vida de um elefante, é sempre injusto. Ou talvez não. Talvez o que importe seja que a viagem, qualquer viagem, seja cumprida, e para isso há que já chegar ao fim, há que morrer.
Sem dúvida alguma, valeu a pena ler esta obra. Continuo a preferir o Memorial do Convento, porventura mais surreal e fantástico, mas A Viagem do Elefante não lhe fica a dever na qualidade e, a meu ver, supera-o mesmo em humor e cumplicidade com o leitor.
<i>A Viagem do Elefante</i>
A Viagem do Elefante de José Saramago
Boas Leituras!
P.S.: A equipa dos Blogs Sapo tem uma pontaria ao destacar este blog logo quando eu ando mais ocupado... Mas obrigado! e as boas-vindas aos que leitores que por aqui passam. ;)
Publicado por Fábio J. às 22:04

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Um blog sobre livros e afins. A descongelar lentamente...
Contacto
Contacto

As mensagens poderão não ser lidas por extensos períodos. Pedidos de divulgação e/ou colaboração poderão não obter resposta.
pesquisar
 
comentários recentes
Muito boa tarde, gostaria de comprar o livro o alq...
O livro pareçeme intereçante eu vou começalo a ler...
Um religioso falando em delírios... chega a ser pa...
-Crónica de uma morte anunciada...vi esse filme em...
Realmente, sou fascinada por este livro, maravilho...
arquivos
2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D




O autor deste blog não respeita o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa