Março 31 2009
"intensa, comovente e dilacerante"
Já há muito que não publico, embora também há muito o queira fazer, sobretudo porque quero partilhar a minha opinião sobre o último livro que li: A Ilha das Trevas, de José Rodrigues dos Santos.
Embora não seja a primeira vez que leia este autor português, o seu estilo foi uma verdadeira surpresa, já que neste livro ele revela uma faceta inédita, mas com muito mais sentido, pois é mais realista e jornalística. Diria até que, neste livro, ele revela todas as suas capacidades.
Trata-se do primeiro romance do autor, tendo sido publicado muito antes das obras que o tornaram famoso. Em vez de mera especulação, o autor debruçou-se sobre a realidade, contando-nos, através da ficção, verdades cruéis e assustadoras. Na verdade, a obra parece-me mais um ensaio do que propriamente um romance, devido ao predomínio dos factos históricos.
Paulino da Conceição é apenas um dos timorenses que viveu todas as barbaridades que se seguiram à saída dos portugueses de Timor-Leste e, apesar de não o considerar a personagem principal da obra, foi, sobretudo, através dele, dos seus traumas e reflexões, que pude compreender as verdadeiras implicações de tal evento. É uma personagem muito humana e crível, mas a personagem principal da obra é, sem dúvida, o povo timorense, que tanto sofreu.
Nesta obra, são narrados os principais momentos da instabilidade política vivida na, então, recente ex-colónia portuguesa. Desde a insegurança interna inicial até à independência oficial do país, passando pela catastrófica invasão indonésia, o leitor encontra nesta obra a realidade dramática vivida por um povo irmão que, literalmente, foi chacinado com uma brutalidade animal e odiosa. Desconhecia muitos dos factos que culminaram na célebre independência de Timor-Leste e, por isso, este livro surpreendeu-me e abalou-me.
A história é contada com precisão e sem melodrama, mas é intensa, comovente e dilacerante. O facto de a saber real obrigou-me a parar para pensar no quão abominável e nojenta consegue ser a espécie humana, capaz de realizar males que envergonham a civilização.
A meu ver, é uma óptima criação literária, na medida em que consegue aliar realidade e ficção na perfeição, captando a atenção e emoção do leitor, levando-o a reflectir. A narração é simples e directa e, embora por vezes caia na monotonia, adapta-se muito bem ao conteúdo, fomentando a análise e crítica dos acontecimentos narrados.
Em suma, A Ilha das Trevas é uma obra muitíssimo diferente da conhecida ficção do autor, sobretudo devido aos acontecimentos históricos analisados em retrospectiva. Vale a pena lê-la, pois é impossível ficar indiferente ao que revela.
A Ilha das Trevas de José Rodrigues dos Santos
Links: Timor-Leste (Wiki)
Até Breve e Boas Leituras!
Publicado por Fábio J. às 22:32

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Um blog sobre livros e afins. A descongelar lentamente...
Contacto
Contacto

As mensagens poderão não ser lidas por extensos períodos. Pedidos de divulgação e/ou colaboração poderão não obter resposta.
pesquisar
 
comentários recentes
Muito boa tarde, gostaria de comprar o livro o alq...
O livro pareçeme intereçante eu vou começalo a ler...
Um religioso falando em delírios... chega a ser pa...
-Crónica de uma morte anunciada...vi esse filme em...
Realmente, sou fascinada por este livro, maravilho...
arquivos
2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D




O autor deste blog não respeita o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa