Junho 20 2007
E amanhã é mesmo o último dia! Não estou lá muito entusiasmado; estes últimos dias não têm sido fáceis, mas espero estar feliz e contente, amanhã...
A leitura tem sido, claramente, um momento de descontracção e paz. Deixo de ser quem sou, esqueço a minha vida e os meus problemas e encarno uma personagem. Afinal, viver os problemas duma personagem, fictícios, é mais fácil do que viver os nossos, reais. E para além disso, sabe bem saborear as fantásticas palavras de Le Guin, perdendo-me na sua história e no seu mundo, o incrível Terramar. É um alívio...
A maioria das pessoas precisa de algo em que possa apoiar a sua vida, o seu percurso. Há quem não consiga viver sem o seu exercício físico de manhã, ou a sua música no autocarro, ou o seu café depois do almoço, ou o seu banho ao fim do dia... Eu não consigo viver sem aquele momento ao final do dia, no qual ponho a minha vida de parte e ganho uma nova alma, o momento em que leio.
Para tornar momentos como estes ainda melhores, criam-se livro ainda melhores. Funcionais, baratos, acessíveis, modernos, legíveis em qualquer lugar – no metro ou no autocarro –, lettering moderno, corpo da letra maior, lombada flexível. Estas são algumas das características dos novos livros de bolso lançados pela Dom Quixote, integrados na colecção Booket. A ideia é combinar preço, formato e acessibilidade, de forma a tornar o livro um objecto mais próximo dos portugueses, tornando o momento de leitura acessível a todos. Esta colecção aposta em reedições de autores portugueses e internacionais, para que agora a leitura de grandes obras possa ser feita por todos, em qualquer lugar.
Com a mesma intenção juntaram-se a Assírio & Alvim, a Cotovia e a editora Relógio d'Água, criando a Biblioteca Editores Independentes, uma aposta na edição de grandes clássicos a pequenos preços, sob a forma de livros de bolso. Tentando contrariar o insucesso que normalmente este tipo de lançamentos tem em Portugal, as três editoras juntaram-se para trazer até aos portugueses grandes obras, duma forma acessível a todos, tal como no caso anterior.
O livro de bolso nunca foi visto com bons olhos em Portugal. Tentando contrariar a ideia que estes são de pior qualidade física, e mesmo de conteúdo, estas editoras apostaram, recentemente, no nosso mercado e esperam que o livro de bolso, aquele pequeno objecto de levamos na mala, ou na mão, junto com as revistas, ajude a aumentar os níveis de literacia e leitura em Portugal.
Tiraram os livros das prateleiras... resta saber se os levam até aos leitores. Não deixa de ser um iniciativa que busca o lucro, por parte das editoras, mas é sem dúvida uma iniciativa bastante louvável e que merece o apoio de qualquer um de nós.
Bem, de seguida irei para zénite do meu dia: a leitura. Sei que o post não foi grande coisa, mas a ideia foi transmitida e espero que leiam!
Por isso mesmo, Boas Leituras!!!
Publicado por Fábio J. às 22:48

Um blog sobre livros e afins. A descongelar lentamente...
Contacto
Contacto

As mensagens poderão não ser lidas por extensos períodos. Pedidos de divulgação e/ou colaboração poderão não obter resposta.
pesquisar
 
posts recentes

Livros de Bolso

comentários recentes
Muito boa tarde, gostaria de comprar o livro o alq...
O livro pareçeme intereçante eu vou começalo a ler...
Um religioso falando em delírios... chega a ser pa...
-Crónica de uma morte anunciada...vi esse filme em...
Realmente, sou fascinada por este livro, maravilho...
arquivos
2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D




O autor deste blog não respeita o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa